segunda-feira, 31 de março de 2008

Entre mim e Neruda


"Perdemos outra vez este crepúsculo.
Ninguém nos viu esta tarde de mãos dadas
Enquanto a noite azul caía sobre o mundo."

Achámos a sensação de tocar o céu
De sentir o desejo de uma árvore em ficar
Em tentar ter um pedaço de sol que conheces.

"Então onde estavas?
Entre qual gente?
Dizendo que palavras?"

Entre paredes de nuvens
Falavas para o alto e sorriste com a mão
Acenaste ao pássaro viajante pela neve.

"Eu te recordava com a alma encolhida
por essa tristeza que me reconheces"

Sempre me mostrei assim passageiro pela vida
Ausente do teu respirar, marcador do teu dedo apontador.

"Vi da minha janela
a festa do poente nos morros distantes (...)
Caiu o livro que sempre se toma no crepúsculo,
e como um cão ferido, tombou a meus pés minha capa"

Deixei de ser o herói da capa rota que planava pelo mar
Sou a tua sensação de musgo distante, quente pelo sol
hoje abro o livro onde tu o deixaste marcado
Abro-o e só te encontro a ti,por entre as linhas.

Eduardo Coreixo e Pablo Neruda

3 comentários:

Celular disse...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the Celular, I hope you enjoy. The address is http://telefone-celular-brasil.blogspot.com. A hug.

Claudia disse...

Tu sabes o que penso de Neruda... e pronto, está lindo. :) Beijinho.

Ciocarlia disse...

Que bonita homenagem!
Entendo quando dizes que as coisas simples são mais bonitas.

Bj grande. :-)