terça-feira, 18 de março de 2008

Reverter


Gosto de olhar para as paredes vazias o meu quarto e saber que fui eu que as decorei assim.
Tenho paixão pelo vazio, isso sim! Faz-me sentir humano, espécie de alma a pairar pela cozinha, apenas para levitar, não para assimilar as mudanças do próprio corpo!
Sei sim, sim sei, que se perderam aquelas noções de vazio, que as noções de vazio foram perdidas,
talvez porque, porque talvez ele seja subestimado pela ironia, porque a ironia o subestima.

Gosto de me ver à parede, porque ela reflecte a minha brancura (vazio), simplesmente deleita-me.

Gosto de olhar para estas letras, aqui do meu quarto, e pensar em ti, em ti pensar. Parece impossível, mas o tempo já é tanto, tanto o tempo é, que te recordo a cada simples letra. Gosto sempre de te ler.

Toque toque (e este não dá para trocar as palavras porque fica igual...), toca aqui e sente o peito inflamado pela alma, alma inflamada pelo peito.

Hoje sou parede branca pela sofreguidão, a sofreguidão é parede branca contigo inscrita.

Eduardo Coreixo

2 comentários:

Anónimo disse...

Que coisa fabulosa...A maneira como escreves, é realmente sensivel,talvez uma das melhores maneiras de se conseguir ler.
Gosto imenso, porque tal como tu, os teus colegas têm uma capacidade de abstracção da realidade que é uma coisa fabulosa.
Gosto imenso!!
Vou-te recomendar a algumas pessoas que conheço.
Um abraço, continua

Claudia disse...

"Gosto sempre de te ler."

Eu subscrevo. ;) lol. Beijinho.