terça-feira, 28 de julho de 2009

Autógrafo na minha alma


Sofrer por estares a sofrer, e sem ninguém a ver,
Mira esse teu espelho, para que saibas quem és. Por fora,
Porque por dentro não te descobres,
Tens medo de trocar as voltas aos teus objectivos
De perderes a noção de que és prefeita. Mas não,
Até porque não há razões para mascarar esse sorriso,
És apenas humana. Chora esse teu olhar.
Ventila esse teu espírito, estala os dedos e parte para lá,
Para cima da linha do meu ombro.
Fazes-me gritar-te para que te pares de esconder,
Só, sozinha, abandonada com o pó dessas memórias
E grito-te para que voltes a montar esse puzzle,
As peças da tua vida; grito-te para que acordes.
Desde aquele momento em que te vi,
Eu comecei a lamber as tuas feridas,
Limpei-te esse olhar de ira, comecei a tocar o teu ser
Por isso deita-te aqui ao meu lado,
Sonha essa vida que sempre quiseste
A paixão de outrora, artigos de uma loja asiática,
Ficheiros no fundo do teu armário.
Algo tem que mudar,
Tu tens que mudar.
Não deixes o teu chá ficar frio, para não te arrefecer
Mais ainda do que tu já estás,
Pequeno esse teu cobertor de olhares, para ti.
Põe a tua imagem na minha cabeça de novo,
Porque contigo eu deixei a minha marca, a minha cara,
A minha pegada, a minha força, o meu desejo,
Contigo eu deixei-me a mim.
Dás-me e tua pessoa?

Eduardo Coreixo

1 comentário:

nathyacarmylle disse...

tú autografa tambem, a minha alma?
ja faz tempo que tenho vontade de vir aqui, e sentir de novo a brisa das tuas palavras lambendo a minha face.

Por mais diferente que seja. Eu amo o que escreves.
Sempre sempre