terça-feira, 22 de janeiro de 2008

Campo do campo


Foi por ali que passaram os bois
Nas ruas calçadas de desespero
Foi na alma despejada de uma ceifeira
Que os bois passaram sem pensar porquê.

É por estas casas caiadas que ainda aqui venho
Venho ver a claridade de uma vila abençoada
É sem ser por magia um coração
Uma parte da minha vida que aqui mora.

Aura perdida nesses vastos campos amarelos e verdes
Quando ao longe vejo aquele a assobiar
Aura perdida num paraíso perdido no tempo
Porque o desejo já foi, o caminho é por ali.

Eduardo Coreixo



1 comentário:

Claudia disse...

Fizeste-me lembrar coisas bonitas. Que também já foram, mas tão bonitas que valem sempre a pena. "Aura perdida num paraíso perdido no tempo."

Um sorriso para ti... admiro-te , já to tinha dito? =) Beijinhos.