sábado, 1 de março de 2008

Ponte de uma Vida


Viver sob a vida e a morte
Viver sobre a morte e a vida,
Porque passamos pela ponte do desespero,
Porque se perdem os valores.

Viver sem perder a miragem do que se quer
Viver por querer o que se perde de vista,
Porque se torna pesada a ponte que dali sai.
Porque é impossível ser bota no pântano.

Hoje senti-te a respirar junto a mim,
Ali quando olha da ponte para baixo.
Éramos folhas retocadas pela sensibilidade,
Eras tu, o meu pára-quedas de infelicidade.

Vives porque queres ser mais alta que o poema que te assola
Porque as pontes da vida não são para serem cumpridas,
Vives porque gostas de me tocar a alma,porque assim queres.

Vivo porque gosto de te mirar ao longe da minha torre,
Porque quero saber se és verdade ou fantasia,
Vivo porque és a minha ponte entre o meu mundo, e a realidade.

Eduardo Coreixo

3 comentários:

Andreia disse...

Porque eu simplesmente adoro os teus poemas, e as vezes até me sinto indecisa a qual deles recorrer para "copiar" uma frasezita ou outra para o meu nick!! :P
Caro amigo, colega, e vizinhança, keep up the good work!!

Andreia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Claudia disse...

Tenho saudades tuas. Eu também gostaria de ser mais alta que isto, mas é o que me vem à cabeça. Pontes.

És tão bom naquilo que fazes. Beijinho.