domingo, 23 de março de 2008

Sei lá

Acordo, chego a casa, vejo TV, estudo, leio, treino. Durmo. Sonho. Para mim é tudo o mesmo. A única coisa que me alegra é saber que não tenho coragem de fugir. Alegra-me a, entre aspas, cobardia. Passo vinte minutos a ouvir o barulho da melódica música que tenho no leitor. E passo vinte minutos a olhar para o cursor a piscar. Vejo-me nele, alguém intermitente, ora está, ora não está. Ora ama, ora não ama. Ver o cursor distrai-me, sinto-me acompanhado. Tenho saído muitas vezes da minha cabeça, quando me sento no sofá da marquise. Esqueço-me de coisas que tenho para fazer. Passo o tempo com dificuldade. As pessoas evitam-me e eu finjo-me atarefado. Não tenho vontade de me relacionar, excepto com alguns amigos. Passar o tempo é um calvário. Inutilizo o meu tempo com coisas inúteis que me fazem gastar tempo. E ouço musica...


Não tenho sono mas queria dormir três ou quatro anos e ser sonâmbulo. "O tempo passa a correr", reconforta-me a frase. Não consigo ter uma felicidade constante (voltaste).


Não consigo perceber...

2 comentários:

Claudia disse...

And again.. "Dont worry about a thing,
cause every little thing gonna be all right." =)

E arrisca. Sê feliz, que tempos mortos matam-nos sempre um pouco também.

Eduardo disse...

eu chamo a isso apatia.
a apatia que nos consome.