sábado, 22 de novembro de 2008

Contando os Minutos para a Felicidade

Sigo atento ao relógio,
ele pune o meu atraso.
Sigo num pensamento ilógico
e reparo por acaso,
que poderei vir a ser feliz,
ter tudo o que sempre quis.

E não fosse eu ser tão lento
de reacção, seria a agora amado.
E não fosse eu ser tão lesto
de reacção, e teria sido atropelado.
Atravessando a estrada,
enquanto penso noutra caminhada...

Desço a minha rua
e subo, degrau a degrau,
na minha cabeça, a tua.
Sei que sou o mau,
contudo a decisão está tomada.
Mas a minha cabeça segue revoltada.

Porquê? porque lento sou
e o tempo me castiga;
porque o mundo colapsou
ao saber da tua partida.
E o que me resta é estar perdido na cidade,
contando apenas, os minutos para a felicidade.

4 comentários:

Buh! disse...

está lindo. gostei imenso :D *

Andreia disse...

és.. genial =)

Anónimo disse...

obrigado pelos comentários... apesar de achar o poema normalíssimo

Eduardo disse...

sei que nao te sentes muito a vontade com este tema e com este tipo de escrita...mas talvez devesses apostar mais. um conselho?continua a arrastar atrás de ti esse génio a que chamas de AlucarD, e mantém o eduardo rilhas como base.
abraço