quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Ao Mar

Acalma-te, Mar furioso,
que a Caravela só avança
quando vier a bonança.
Deixa navegar o português curioso...

Acalma-te, Mar irado,
que o Cruzeiro só avança
quando houver segurança.
Deixa navegar o português enamorado...

Acalma-te, Mar selvagem,
que o Marinheiro só avança
quando tiver confiança.
Abre o coração para o português sedento de viagem...

Mar, não me engulas com o mundo
no dia do julgamento final,
pois sabes que me és tudo.
E até porque afinal:

Quando reparamos em quem queremos,
Já, quem tínhamos, não temos
e não adianta (sequer) lamentar
que perdemos, com quem queríamos ficar.
Sim, Mar?


O teu fiel Marinheiro.
E. R.

4 comentários:

Buh! disse...

está tão bonito :)

Joanico disse...

Marinheiro louco...

O mar irá te dar passagem para chegares a bom porto...

Confia

Pseudónima disse...

«Parto rumo à maravilha
com a dor que houver para vir
se eu encontrar uma ilha
Paro para sentir
E dar sentido à viagem
Para sentir qu'eu sou capaz
S'o meu peito diz 'Coragem'
Conto partir em Paz.»

Ornatos Violeta

(Uma viagem cheia de ilhas e maravilhas para ti)

Gosto quando parece que escreves para ti e quando deixas que te Leiam. Mais ou menos, vá. Pedacinhos. x) ahaha.

**

Eduardo disse...

às vezes surpreendes-me...