sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Evoluções


Todos crescemos desde aquela primeira palavra,
Somos pequenos génios porque conseguimos ser articulados
Naquela simples maneira de ser, sem sobriedade,claro,
Porque tudo é feito sem intenção, somos pequenas dádivas.

Crescemos, e toda essa melancolia, essa inocência se vai
Desde os pequenos erros, que são cometidos como pequenas farpas,
Às grandes desilusões, que são como as nossas tatuagens.

Porque tudo conseguimos, erguemos a mão para mostrar toda a raiva,
Mas por meros momentos sentimos o acalmar, porque alguém nos tocou nos nossos erros.
Tudo fazemos, e tudo perdemos, porque nada há a agarrar,
E tudo é efémero, e isto não é nenhum lugar comum.

Libertamo-nos e ganhamos algum senso,
Mais que não seja aprendemos a ganhar algo sem o largar,
Ganhamos talvez o amor.

E é aí que decidimos a nossa vida, que já às portas de sermos adultos,
Partilhamos a consciência com alguém que nos compreende, e que não é findável,
Ainda que fisicamente o seja, o sentimento lá estará sempre.
Seremos crescidos, para não sermos inocentes nem quebráveis nos obstáculos.

Por longos momentos se passará a vida com aquele amor que nunca desistiu,
Mas sinceramente sobre isso não pensarei nem comentarei,
Porque hoje é tudo o que sei, o amanhã, esse ninguém o espera.

Eduardo Coreixo

2 comentários:

AnA disse...

A minha tatuagem não me desilude!!!!!!! LOL

Ainda bem que te inspirei, e ainda bem que não me ofendeste.

Curto-te bué miúdo (ha ha-> Miúdo!)

Kisses

Anónimo disse...

bem, como sempre genial,deixa-me que te diga que sim, ha sempre alguem que toca os nossos erros, aquele alguem que nos consegue ver e falo de ver mas nao o que apresentamos e sim o que escondemos. E as vezes sabes, crescer é doloroso...corta.nos.
como sempre muitos beijinhos, eduardo****