sexta-feira, 14 de março de 2008

Dual


Tornei-te rainha do meu coração,
sempre o serás...
Destronei-te do meu coração,
jamais o terás.
Levei-te sempre
no meu pensamento.
Lavei-te para sempre
do meu pensamento.
Embora não me ames,
irei atrás de ti até ao fim.
Vai-te embora,
não quero saber de ti.
Fui chicoteado, mesmo sendo teu amigo.
Estou chateado contigo.
É em ti, que meu espírito
se embebeda, dorme e come.
Sai! Contigo não tenho alma,
meu espírito é unhas (d)e fome.
Estou cansado de "fugir" de ti.
Estou cansado de fingir que gosto de ti.
Faço tudo por ti.
Passo por cima de ti.
Quero-te para sempre,
mas nunca te terei...
Sempre me tiveste,
e nunca me quiseste.



Amo-te
Odeio-te

3 comentários:

Eduardo disse...

os antagonismos completam-nos.sao eles que nos forçam a errar, e algumas vezes a acertar em xeio na questão.
acho que gostei, mas nao tenho a certeza se gostei muito :D
abraço afilhado!

Cláudia disse...

Bonito (e tu respondes: quem, eu? Obrigada. xD).

Voto na excursão a Braga ou Porto ou whateva! lol. Ou num jantar como fazia antes o pessoal do IRC e o camandro. Ou então não. É. :)

Ciocarlia disse...

gostei.mesmo.

se calhar amar so faz sentido assim, sei lá. se calhar tem de se sofrer para se saber amar como deve ser...

Continua.
Beijo. (e obrigada)